fbpx

Getúlio Américo Moreira Lopes

Depoimento de
Getúlio Américo Moreira Lopes

A criação de Getúlio Américo Moreira Lopes foi forjada em torno de uma atmosfera de constante preocupação com a defesa da democracia e a luta em favor da educação. Filho de João Herculino de Souza Lopes, fundador do Centro de Ensino Unificado de Brasília (Ceub), Getúlio herdou do pai não só o negócio pioneiro no ensino superior particular na capital, mas, acima de tudo, um projeto de educação que previa transformar o futuro daqueles cidadãos brasileiros que deixavam suas cidades para trás em busca de novos projetos de vida.

Na década de 1960, quando ainda engatinhava, Brasília não desfrutava de muitas opções noturnas para a ainda incipiente população brasiliense. Atento às particularidades desse público que buscava por uma ocupação à noite e por uma formação mais qualificada, Herculino uniu-se a Alberto Péres para inaugurar o Ceub, em maio de 1968. A chegada da faculdade foi um sucesso, com 1.100 alunos aprovados no vestibular para Pedagogia, Economia, Geografia, História, Letras, Contabilidade, e Direito, curso que levou a instituição a destacar-se nacionalmente pela qualidade no ensino.

Mesmo com inúmeras dificuldades financeiras nos anos iniciais, Herculino conseguiu se estabilizar e levou à frente seu plano de transformar a graduação no Distrito Federal. Responsável pela formação de mais de 100 mil estudantes, pôde ver antes de morrer, em 2003, o êxito dos cursos do Ceub e principalmente o crescimento vertiginoso dos alunos formados na instituição. Muitos chegaram a ocupar cargos públicos nos poderes executivo, legislativo e judiciário, bem como posições de poder nas mais diferentes áreas de formação, como Jornalismo e Administração. Essa conquista foi acompanhada de perto por Getúlio e sua família, que esteve ao lado de Herculino desde quando o Ceub era apenas um sonho.

Durante a construção do prédio que passou a abrigar a instituição, na ainda pouco habitada Asa Norte do ano de 1967, Getúlio recorda-se da correria para erguer o edifício e das madrugadas que passava com os irmãos. “Pequenos, nós vínhamos para cá na construção. Nosso pai levava a gente lá para cima, mostrava concreto, trabalhava aqui dia e noite e nós tínhamos vários prédios alugados. O Ceub crescia muito e com uma rapidez tão grande que quando faltavam uns três meses para o prédio ficar pronto, para os alunos virem para cá, viemos fazer um prédio para aquele bloco em frente a esse. Era um bloquinho de tijolos de cimento de um andar só, feito em 90 dias”, recorda-se Getúlio, ao apontar as lembranças do impressionante crescimento que a universidade obteve.

Natural de Sete Lagoas, Getúlio mudou-se para Brasília aos 12 anos com a família para acompanhar o pai que se elegera deputado federal pelo estado de Minas Gerais. A família se instalou na nova capital em 1963 e a concretização do sonho de Herculino de abrir uma instituição de ensino surgiu alguns anos depois, quando o visionário empreendedor enxergou que poderia crescer com a nova capital. “O Ceub começou oito anos depois de Brasília, sempre com o objetivo de servir à comunidade”, observa Getúlio, que assumiu a reitoria em 2003. O mineiro se recorda de como se sentiu impactado ao ver a dimensão que Brasília tinha, muito diferente do cenário que estava habituado a observar na cidade interiorana de onde viera. “Para nós tudo era novidade. Fomos visitar a cidade, lembro da emoção de ver a Praça dos Três Poderes, o Eixo Monumental. Em Brasília você via o crescimento, via a empolgação que o pessoal tinha com a cidade e a rapidez com que ela se desenvolvia, era impressionante”, comenta o empresário mineiro.

Assim como Brasília, o Ceub seguiu crescendo. Lado a lado com a cidade, o centro universitário ganhou um campus em Taguatinga, onde ocupa uma área de 15 mil metros quadrados. Na Asa Norte, está instalado em um quarteirão de 60 mil metros quadrados e no Setor Comercial ocupa o Edifício União, um prédio de 14 andares onde são realizadas as práticas universitárias, com uma série de serviços oferecidos de forma gratuita para a população. “Estamos com uma comunidade de alunos de cerca de pouco mais de 20 mil pessoas fazendo parte de Brasília e do desenvolvimento da capital”, comemora o empresário. A sintonia do UniCeub com Brasília é tão grande que em 2019 a instituição firmou parceria com a Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) para que os alunos participem da inspeção de pontes e viadutos do Distrito Federal. O termo de cooperação técnica possibilita que estudantes de Engenharia colaborem com as atividades desenvolvidas pela estatal. Para Getúlio, esse trabalho conjunto entre os universitários e o poder público busca resultar em um conhecimento mais aprofundado das necessidades da cidade, com o intuito de evitar possíveis desastres.

Com uma forte vocação para o empreendedorismo, o Ceub estimula seus alunos a saírem do pensamento naturalmente condicionado do brasiliense de que a única saída são os concursos públicos e busquem o mercado de trabalho, se organizem em grupos, façam startups e foquem em serviços. “Brasília é uma cidade pujante que cresce, que tem condições próprias, com um povo trabalhador que começou, esses pioneiros. E hoje os filhos deles estão aí, lutando da mesma forma. Vamos fazer Brasília crescer. É muito bonito ver hoje o Ceub e essas empresas todas que começaram aqui em Brasília, grandes, robustas, fortes. É um orgulho grande para nós pioneiros vermos essa Brasília pronta aos 60 anos. Vamos melhorar muito essa cidade, ela vai ser cada vez melhor”, promete Getúlio, que conta com a ajuda de uma legião de alunos e ex-alunos para dar conta da tarefa de transformar Brasília em um local ainda melhor para se viver e prosperar.